Virtuosi XXIII

Concertos

Artistas
convidados

  • Antônio Meneses → cello

    A carreira internacional do violoncelista Antonio Meneses teve impulso ao vencer o 1º Prêmio e conquistar a Medalha de Ouro no Concurso Tchaikovsky de Moscou em 1982. Sua carreira inclui apresentações com orquestras como a Filarmônica de Berlin, Concertgebouw Amsterdam, Sinfônica de Londres, Sinfônica da BBC e São Petersburgo, tendo dividido o palco com maestros como H. von Karajan, C. Abbado, R. Muti, R. Chailly, Mariss Jansons, Mstislav Rostropóvitch e participações nos festivais de Salzburgo, Lucerna, Viena, Berlim e Praga, entre outros. Meneses é professor de violoncelo na Hochschule der Künste de Berna e ministra cursos de aperfeiçoamento na Europa, Américas e Japão.

  • Camila Frésca → jornalista e musicóloga

    Jornalista doutora em Artes pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Bacharel em História e Comunicação Social – Jornalismo, atua como jornalista e pesquisadora especializada em música clássica. É colaboradora da Folha de S. Paulo e da Revista Concerto. É autora dos livros Festival de Inverno de Campos do Jordão – 50 anos (Editora da Osesp, 2019) e “Uma extraordinária revelação de arte”: Flausino Vale e o violino brasileiro (Annablume, 2010). Idealizou e dirigiu o CD “Flausino Vale e o violino brasileiro” (Petrobras/Selo Clássicos), de Cláudio Cruz, vencedor do Prêmio Bravo! Prime 2011 na categoria música erudita.

  • Catalin Rotaru → contrabaixo

    Professor de Contrabaixo da School of Music da Universidade do Arizona, Rotaru é muito procurado como intérprete em todo o mundo. Graduado pela National University of Music de Bucareste e Mestre em performance musical pela University of Illinois, atuou como principal contrabaixista na Orquestra da Rádio Nacional Romena, na Orquestra Filarmônica de Sibiu, Orquestra de Câmara Virtuosi de Bucareste e na Orquestra Sinfônica Europeia. Em 2017, Catalin teve a grande honra de gravar um CD histórico de estreia mundial intitulado “The Lord of the Basses - Bottesini's Testore”. Catalin Rotaru se apresenta com um instrumento moderno feito na Itália por Luciano Golia e um arco feito por Marco Pasquino, e é um artista que endossa a Pirastro Strings.

  • Fernando Junior → cello

    Natural do Recife, Fernando Junior iniciou os estudos de violoncelo no projeto social Orquestra Criança Cidadã. É bacharel em música pela Universidade Federal de Pernambuco e membro fundador do Quinteto Pernambucano que fez sua estreia em 2017 com o concerto “Do Clássico ao Armorial: uma homenagem ao maestro Clóvis Pereira”. Participou de festivais nacionais importantes, dentre eles FEMUSC, Festival Música nas Montanhas e Virtuosi. Em 2014 participou da turnê europeia com a Orquestra Criança Cidadã e no ano seguinte da Turnê Brasil, tocando nas principais salas de concerto do país.

  • Gerard Wyss → piano

    Estudou com Paul Baumgartner na Academia de Música da Basiléia, Suíça, onde atualmente leciona interpretação de Lied e música de câmara. Ainda na juventude desenvolveu parcerias com Pierre Fournier e Arthur Grumiaux, demonstrando grande interesse pelo repertório camerístico. Hoje é um artista bastante requisitado em concertos pela Europa, Canadá, EUA e Japão. Desenvolveu parcerias com cantores como Edith Mathis, Cecília Bártoli, Nicolai Gedda, Wolfgang Holzmair e Georg Nogel. Muitos instrumentistas apreciam sua experiência e sensibilidade como parceiro musical, incluindo os violoncelistas Heinrich Schiff e Antonio Meneses e o violinista Raphaël Oleg. Gerard Wyss é regularmente convidado para os festivais de Salzburgo, Montreux, Stresa, Lucerna e Berlim entre outros. Participou de várias gravações comerciais (Denon, Novalis, Pan Classics, Philips, Rudor) e transmissões de rádio.

  • Gilson Filho → violino

    Bacharel em Artes pela Nicholls State University e Mestre em performance pela University of New Mexico, Gilson nasceu no Recife, iniciou seus estudos de violino no Projeto Suzuki de Música localizado na comunidade do Alto do Céu na capital pernambucana. Em Salvador, começou a trabalhar como violinista da Orquestra Sinfônica da Bahia. Também foi Concertmaster/Spalla da YOBA e durante sua trajetória, Gilson tem trabalhado com grandes maestros brasileiros e internacionais a exemplo de: Christopher Warren-Green, Fabio Mechetti, Claudio Cruz, John Neschling, Neil Trompson, Isaac Karabtchevsky, Roberto Tibiriçá, Roberton Minczuk, Marcelo Lehninger, Carlos Miguel Prieto e outros. Gilson atuou como coordenador pedagógico do projeto Orquestra Criança Cidadã dos Meninos do Coque até o final de 2020. Atualmente é professor de violino da classe avançada do mesmo projeto.

  • Isaac Duarte → oboe

    Isaac Duarte é oboísta co-solista e corne inglês da Orquestra da Tonhalle de Zurique (Suíça). Natural de Olinda (PE), estudou na Universidade Federal da Paraíba e foi primeiro oboísta da Orquestra Sinfônica do Recife (PE) e professor do Centro de Criatividade Musical de Pernambuco, antes de se aperfeiçoar com Peter Fuchs no Conservatório e Escola Superior de Música de Zurique. Gravou concertos para oboé e orquestra de W. A. Mozart, J. Haydn e J. Fiala. Atua como jurado de vários concursos e também como convidado da Universidade de Artes de Zurique e de Berna para a banca examinadora dos exames finais de oboé para os cursos de Bacharelado e Mestrado.

  • Jonathan Crow → violono

    Nascido em Prince George (British-Columbia), Jonathan Crow recebeu seu Bacharelado em Música em Performance Honors pela McGill University em 1998, quando se juntou à Orquestra Sinfônica de Montreal como Segundo Violino Associado Principal. Jonathan se apresentou como solista com a maioria das principais orquestras canadenses. Ávido músico de câmara, Jonathan é o Diretor Artístico da Toronto Summer Music. É um dos membros fundadores do New Orford String Quartet, vencedor do Juno Award, sendo este um projeto dedicado à promoção do repertório de quarteto de cordas padrão e canadense. Jonathan é atualmente Professor Associado de Violino na Universidade de Toronto e spalla da Orquestra Sinfônica de Toronto.

  • Leonardo Altino → cello

    Primeiro Prêmio no Concurso Internacional de Violoncelo de Viña Del Mar/Chile, estudou na Yale University, no NEC, na Universidade de Illinois e na Musikhochschulle de Detmold. Foi solista das principais orquestras brasileiras assim como de várias orquestras americanas, Sinfônica do Chile e Sinfônica de Bogotá, entre outras. Apresenta-se frequentemente nos Estados Unidos, Canadá, Brasil, Coréia, Taiwan, Alemanha, Chile e Colômbia. É Professor do Wheaton College. Gravou o CD Poema com a obra completa para cello do compositor Marlos Nobre e o CD En Voyage com sua esposa violinista Soh-Hyun Park Altino.

  • Luis Felipe de Oliveira → piano

    Natural de Gravatá, é formado “cum laude” no curso de Bacharelado em Piano na UFPE na classe do prof Dr. Antonio Nigro (Brasil-Alemanha) e atualmente estuda na “Academia Internacional de Música Aquiles Delle Vigne” em Coimbra, Portugal, na classe do Maestro Aquiles Delle Vigne. Em sua jornada musical detém importantes conquistas em concursos nacionais e internacionais. Em 2015 dirigiu o Primeiro Festival de Música em Gravatá, do qual fez o recital de abertura. Naquele mesmo mês foi convidado pelo pianista Miguel Proença a participar do recital “Talentos Piano Brasil”, no Auditório do BNDES. Músico ativo, Luis Felipe já se apresentou em diversas salas de concerto do país e em festivais. Em maio de 2016 lançou seu “Projeto Piano em Casa” que tem como objetivo aproximar a música para piano de seu público.

  • Marcelo Jaffé → viola

    Aos seis anos de idade, orientado por seu pai, Marcelo Jaffé iniciou o estudo de violino. Aos 14 anos, passa a tocar viola, ganhando, no mesmo ano, o 1º Prêmio no Concurso Nacional da Universidade de Brasília. Após aperfeiçoamento na Universidade de Illinois e no Centro de Música de Tanglewood, nos Estados Unidos, apresenta-se em vários países, participando de destacados conjuntos camerísticos e orquestrais. Atuou como Maestro da Kamerata Philarmonia e foi Diretor Artístico da Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo. Atualmente, residindo em São Paulo, é professor de viola da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (Departamento de Música), apresentador da Radio Cultura e membro do Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo.

  • Marisa Rezende → compositora

    Nascida no Rio de Janeiro, é compositora e pianista, com mestrado e doutorado realizados na Universidade da Califórnia, em Santa Bárbara, e pós-doutorado na Universidade de Keele, Inglaterra. Foi professora da UFPe e professora titular de Composição da EM/UFRJ até 2002, onde fundou o Grupo Música Nova. Trabalhou com artistas plásticos em instalações multimídia e recebeu em 1999 a Bolsa Vitae de Artes da qual resultou o espetáculo “O (In)dizível”. Entre 2003 e 2008 compôs “Vereda” para OSESP, “Avessia”, e “Viagem ao Vento”, estreadas pela OSB e encomendadas pela Sala Cecília Meireles.Parte de sua obra acha-se gravada em cerca de dez CDs, sendo “Marisa Rezende: música de câmera”, do selo LAMI/USP seu recorte mais expressivo. Recebeu em 2016 a “Medalha Villa – Lobos” da Academia Brasileira de Música pelo conjunto de sua obra. Em 2018 foi compositora homenageada pelo V FMCB de Campinas.

  • Peter Laul → piano

    Nascido em St. Petersburgo, Peter Laul estudou com Alexander Sandler no Conservatório de sua cidade natal, onde hoje é professor. Recebeu em 1997 o primeiro prêmio e uma premiação especial pela melhor interpretação da obra de Schubert no concurso de Bremen. Tem se apresentado como solista com a Filarmônica de St Petersburgo, Orquestra do Teatro Mariinsky e Sinfônica de Moscou, sob a batuta de maestros como Valery Gergiev e Eri Klas, entre outros. Frequentemente é convidado para se apresentar na França, Holanda, Alemanha, Japão e Estados Unidos.

  • Rachel Fenlon → soprano e piano

    Rachel Fenlon começou sua carreira profissional na Vancouver Opera onde passou a desempenhar vários papéis de destaque com a companhia interpretando Pamina (A Flauta Mágica), Mabel (Os Piratas da Penzance), Zerlina (Don Giovanni) e, mais recentemente, Susanna (Le Nozze di Figaro). Rachel é uma soprano e pianista que executa recitais de música cantando e tocando seu próprio piano em uma abordagem do tipo cantora/compositora ao invés da tradição corrente na música clássica. Já fez turnês pela Europa, Canadá e Estados Unidos em recitais solo e com repertórios que incluem obras de Schubert, Schumann, George Crumb, Philip Glass e inúmeras estreias mundiais. Rachel já participou de festivais como o Oxford Lieder Festival, o Toronto Summer Music Festival, o Kammermusik Festival Ahrenshoop, o Bristol Song Recitals e em recitais solo em locais como a National SAW Gallery, Fox Cabaret, Vancouver Opera e o Theatre am Delphi Berlin.

  • Rafael Altino → viola

    Violista principal da Sinfônica de Odense, Dinamarca, começou seus estudos musicais com seu pai Rafael Garcia aos 9 anos. Aos 17 anos mudou-se para os Estados Unidos onde recebeu os diplomas de Bacharel pelo NEC, Boston e Mestre pela Juilliard School. Participa em festivais internacionais e concertos, em vários países tais como Brasil, França, Grécia, Japão, Noruega, Espanha, Suécia, Taiwan e Estados Unidos, entre outros. Ensina nas Academias de Música Carl Nielsen, Odense e Malmö, Suécia. Toca numa viola francesa do final de 1700 de autor desconhecido com um arco James Tubbs cedidos pelo Instrumentfonden da Sinfônica de Odense.Gravou o CD “Viola a Rafael” e o Concerto Steppenwolf de Christian Lindberg pelo selo Bis.

  • Ragazze Quartet

    Com programas atraentes, mas não convencionais, o Ragazze Quartet tornou-se uma das vozes mais novas e importantes no mundo da música clássica. Com programas inovadores, embarcam em colaborações com as vozes mais originais do teatro, da dança e da literatura. Suas performances falam a todos os sentidos garantindo ofertar ao público a rica tradição da música clássica. Desta forma, eles aquecem os corações tanto do ouvinte obstinado quanto do novato para o repertório de quarteto de cordas do passado e de nossos dias. Ragazze gosta de unir forças com jovens músicos e autores de teatro, assim como com organizações importantes como a Nederlands Dans Teatro (NDT), Quarteto Kronos, Orkater e Festival da Holanda. Recentemente, o quarteto assumiu a liderança artística do festival de música de câmara September Me em Amersfoort. Ragazze faz parte do catálogo do selo de CDs Channel Classics e já lançou cinco discos: 'Vivere', 'Česko', ' FourFourThree ',' Spiegel' e 'Bartók Bound'.

  • Raul Victor → viola

    Natural do Recife, Raul Victor Martins atuou como violista nas principais orquestras do nordeste e centro-oeste omo Orquestra Sinfônica da Paraíba, Orquestra Sinfônica Jovem da Paraíba, Sinfonieta-UFPE, Orquestra Sinfônica da UFPE, Orquestra Jovem de Pernambuco, Orquestra Sinfônica Municipal de João Pessoa, Orquestra Filarmônica de Minas Gerais e o projeto social Orquestra Criança Cidadã, onde iniciou seus estudos musicais aos 10 anos de idade. Em 2016 ganhou o primeiro prêmio no concurso para jovens solistas da Orquestra Criança Cidadã, um ano depois, foi selecionado a ser jovem solista no programa Prelúdio da TV Cultura. Em 2019 foi vencedor do II Concurso Jovens Solistas Nildo Nery, onde obteve unanimidade da banca avaliadora. Atualmente exerce o cargo de professor de viola e violino Projeto de Ação Social pela Música de João Pessoa, Orquestra Sinfônica da Paraíba , Orquestra Sinfônica Municipal de João Pessoa e frequenta o curso de bacharelado em viola na UFPB.

  • Ricardo Castro → piano

    Nascido na Bahia, é o criador e Diretor-Fundador do NEOJIBA. Estabeleceu-se na Europa em 1984, onde estudou piano com Maria Tipo e Dominique Merlet e regência com Arpad Gerecz. Premiado no Concurso da ARD de Munique em 1987 e Geza Anda de Zurique em 1988, tornou-se um pianista de renome internacional ao receber o primeiro lugar no Leeds International Piano Competition na Inglaterra, em 1993. Regente Titular e Diretor Artístico da Orquestra Juvenil da Bahia desde sua fundação em 2007, Ricardo Castro tornou-se em 2013 o primeiro brasileiro a receber o Honorary Memberships of the Royal Philharmonic Society, titulação iniciada em 1826 e concedida apenas 131 vezes em reconhecimento a importantes serviços prestados à Música. Foram celebrados entre outros grandes nomes da música Brahms, Wagner, Tchaikovsky, Stravinsky e Aaron Copland.

  • Sergio Barza

    Iniciou seus estudos de música em 1985, no Conservatório Pernambucano de Música. Estudou composição com Manuel Nascimento, além de ter sido aluno de Severino Revorêdo e Diérson Torres. Graduou-se em Música-Licenciatura pela UFPE em 1993, tendo estudado regência com os maestros Osman Gióia e Marcelo Sena. Prosseguiu seus estudos com o maestro Henrique Gregori (SP). Desde 1994 é professor do Conservatório Pernambucano de Música, ministrando as cadeiras de Análise Musical, Harmonia, Prática Interpretativa, História da Música e História da Música Popular Internacional. Foi regente de diversos grupos ligados ao Conservatório Pernambucano de Música (CPM), como a Orquestra Sinfônica de Alunos do CPM, a antiga Orquestra de Câmara de Pernambuco (anos 1990), a Orquestra de Violões do CPM e o Collegium Musicum. Regeu diversas vezes, como convidado, a Orquestra Sinfônica do Recife e o Grupo de Percussão do Nordeste. Atualmente é o regente da Orquestra de Rock do CPM.

  • Soh-hyun Park Altino → violino

    Altamente considerada como uma professora talentosa e uma artista versátil de solo e música de câmara, Soh-Hyun Park Altino é elogiada por sua “postura e precisão”. Seu talento a levou a se apresentar no Brasil, Colômbia, Alemanha, Coréia do Sul, Venezuela e a diferentes festivais pelo mundo. Recém-nomeada para o Conservatório de Música do Wheaton College, Altino serviu no corpo docente da University of Wisconsin-Madison, onde recebeu o prêmio Phillip R. Certain-Gary D. Sandefur Distinguished Faculty e a bolsa de pesquisa Vilas. Ela completou seu bacharelado, mestrado e doutorado em performance de violino no Instituto de Música de Cleveland, onde foi aluna e professora assistente de Donald Weilerstein. Suas atividades de pesquisa recentes incluem um trabalho pioneiro na interpretação do sanjo tradicional coreano no violino e na promoção de novas composições com raízes na música tradicional.

  • Thiago Soares → bailarino

    Em 2001, o bailarino brasileiro Thiago Soares participou do Concurso Internacional do Ballet Bolshoi, na Rússia, conquistando a medalha de ouro, sendo convidado em seguida para estagiar no Balé Kirov. No mesmo ano foi convidado a integrar o corpo de baile do Royal Ballet de Londres. Em 2002, foi promovido a solista e em 2004 passou a ser primeiro solista premiado como artista revelação masculino de dança clássica, pela Critis ‘Circle National Dance Awards. Em 2006, conquistou o posto de Primeiro Bailarino do Royal Ballet de Londres onde ficou até o ano de 2020. Em 2013, recebeu o Prêmio Special International Press da Embaixada do Brasil em Londres em reconhecimento à sua contribuição para as artes. Atualmente, se dedica a direção do seu novo estúdio de dança localizado no Rio de Janeiro, o STUDIOTS+Dança. Também se ocupa à criação e direção de alguns projetos de espetáculos, como o Musical para o ano de 2021 onde o tema será sua vida e carreira, além de filme em parceria com a Globo Filmes e o livro com a sua biografia para lançamento em breve.

  • Wan Ting Yu → piano e contrabaixo

    Natural de Taiwan, Wan Ting Yu começou a tocar piano aos três anos, aprendendo contrabaixo aos 10. A pianista recebeu diploma de bacharel em piano pela National Taiwan Normal University e fez mestrado em execução de contrabaixo na Universidade Nacional de Artes de Taipei. Antes disso, ganhou diversos prêmios como pianista e contrabaixista. Como contrabaixista, Wan Ting ganhou inúmeras competições e elogios por sua forma de tocar tecnicamente avançada e musicalmente madura. Antes de sua posição profissional atual na Orquestra Sinfônica de Taipei, ela também colaborou com a Orquestra Sinfônica Nacional em turnês e apresentações na Itália, França, Alemanha, Suíça, Japão, Coréia do Sul e China. Como pianista, ela construiu uma sólida reputação e atualmente está fazendo doutorado em piano colaborativo na Arizona State University.